Tremor no Oceano Atlântico gera boatos sobre tsunami na costa nordestina


Um tremor de 5,8 graus de magnitude na escala Richter foi registrado no Oceano Atlântico à 0h40 desta segunda-feira, 5, segundo o Laboratório Sismológico da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (LabSis/UFRN).

O epicentro do terremoto foi a 163 quilômetros dos arquipélagos de São Pedro e São Paulo; a 738 km de Fernando de Noronha, em Pernambuco; a 1.100 km de São Miguel do Gostoso e a 1.111 km, no Rio Grande do Norte; e a 1.295 km de Fortaleza, no Ceará.

Dado à proximidade com a costa do Nordeste brasileiro, o assunto se tornou o mais comentado dos Trending Topics do Twitter. Entre outras coisas, os internautas se assustaram com boato de que o terremoto pudesse ocasionar um tsunami nessas regiões.

Porém, de acordo com o LabSis, as chamadas falhas transcorrentes – movimentos direcionais provocados por eixos de maior tensão e maior tração na horizontal -, quando acontecem no meio do oceano, mesmo em grandes magnitudes, não provocam tsunamis.

Ao jornal O Estado de S. Paulo, o professor do Centro de Sismologia da Universidade de São Paulo (USP) Marcelo Bianchi, ressaltou que sismos como este acontecem mais de uma vez por ano, no mesmo local e com a mesma magnitude.

Segundo o professor da USP, o tremor aconteceu a dorsal meso-oceânica, onde ocorre um processo contínuo de criação de litosfera oceânica (as placas tectônicas) – esses locais possuem falhas que acomodam a movimentação.

“Como o lugar habitado mais próximo em geral está muito distante – mais de 500 quilômetros -, eles acabam não sendo sentidos, apenas são registrados por equipamentos”, explicou Bianchi. “Da forma como ocorreu, este sismo não é uma ameaça a ser considerada para gerar um tsunami no Atlântico.”

De acordo com o especialista, apesar da magnitude ser superior ao que geralmente acontece em território brasileiro, ainda é muito baixa para ocasionar um tsunami. “No Chile, por exemplo, sismos com essa magnitude acontecem quase que semanalmente.”

Correio