PGR pede condenação do deputado João Carlos Bacelar


acelard-1200x545_c

PGR pediu a condenação do deputado federal João Carlos Bacelar (PR-BA). Ele foi denunciado pela Procuradoria-Geral da República ao Supremo Tribunal Federal por suspeita de peculato, acusado de usar recursos públicos para pagar salário de uma empregada doméstica e uma secretária.

A denúncia da procuradora-geral Raquel Dodge aponta que, desde o primeiro mandato, em 2007, João Bacelar usava recursos públicos para pagar os salários da empregada doméstica Maria do Carmo Nascimento e da secretária Norma Suely Ventura da Silva.

As duas trabalhavam na casa e na empresa da família dele, em Salvador. O documento destaca que Maria do Carmo e Norma “jamais exerceram o cargo de secretária parlamentar”. Maria do Carmo trabalha para a família Bacelar há mais de 15 anos e foi exonerada do cargo em julho de 2011.

Empregada antiga

Em depoimento, Maria do Carmo disse que trabalhou para o pai do denunciado e atualmente presta serviços para a mãe dele. Em relação a Norma, “embora tenha sido nomeada para a função de secretária parlamentar, ela trabalhava na empresa Embratec, uma construtora de João Carlos”.

“Ela ainda seria sócia dele em outras empresas”. A PGR pede a perda de função pública e reparação do dano. Mas esta não é o único nem o primeiro crime atribuído a Jonga Bacelar. Ele foi citado pelo empresário Joesley Batista, da JBS, em sua delação premiada.

Wesley diz que foi procurado pelo deputado baiano, na semana do julgamento, a mando do ex-ministro Guido Mantega, com a sugestão de que “comprasse alguns deputados” para tentar evitar o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff. (Informações: A Região)