Nesta segunda: Caminhoneiros mantêm mobilização nas rodovias da Bahia


Os caminhoneiros mantêm a mobilização nas estradas na manhã desta segunda-feira, 28, um dia após o presidente Michel Temer anunciar um pacote de medidas  atendendo pontos de reivindicações dos manifestantes. Uma das solicitações é a redução de R$ 0,46 no preço do litro do diesel.

Apesar da promessa do governo, os caminhoneiros não deixaram as rodovias. Na Bahia, há manifestações em pelo menos 15 pontos. A estrada mais afetada é a BR-116, que tem atos nos km 835, 817, 015 e 814, em Vitória da Conquista; nos km 779 e 759, em Poções; no km 709, em Manoel Vitorino; no km 672, em Jequié; no km 539, em Milagres; no km 521 e 517, em Itatim; e no km 459, em Santo Estevão.

Também há movimento na BR-324, no km 542, na altura de Amélia Rodrigues. Já nas rodovias estaduais, os protestos acontecem na BA-526, no km 13, e na BA-535, km 10, sentido Camaçari.

Os caminhoneiros não interditam essas rodovias. A categoria permanece nos acostamentos ou em áreas de postos de combustível. Com isso, a passagem de veículos de passeio e ônibus é liberada. Apenas caminhões e carretas são parados pelos manifestantes.

Esse já é oitavo dia de mobilização dos caminhoneiros. O movimento causou o desabastecimento de todo país, afetando diversos setores, como de postos de combustível e supermercados.(Informações: A Tarde)

Avião da Força Aérea Brasileira cai no Rio; pilotos conseguem se ejetar


Um avião F5 da Força Aérea Brasileira (FAB) sofreu uma pane e caiu na manhã desta quinta na Zona Oeste da cidade do Rio de Janeiro. Segundo a Aeronáutica, os pilotos conseguiram se ejetar da aeronave antes da queda.

Ainda de acordo com a Aeronáutica, a pane ocorreu depois de o avião decolar da Ala 12 da Base Aérea de Santa Cruz, por volta das 7h40.

A PRF informou que a aeronave caiu nas proximidades da Rodovia Rio-Santos (BR-101), próximo à Cidade das Crianças, mas não chegou a atingir a rodovia.

BRASIL: Crise tirou 170 mil jovens da faculdade


Douglas Gavras, O Estado de S.Paulo

19 Maio 2018 | 21h00

O aumento expressivo do desemprego entre os jovens durante os anos de crise não preocupa apenas pela queda na renda das famílias. Ele se reflete na formação. Mais de 170 mil brasileiros, com idades de 19 a 25 anos, abandonaram a graduação só no ano passado e tiveram de adiar o sonho de ascender socialmente pelos estudos.

Na fila do seguro-desemprego, Miguel Júnior, de 23 anos, admitia que a faculdade de Engenharia ficaria para depois. Filho de uma empregada doméstica, ele dependia do emprego em um centro de distribuição de medicamentos para pagar os estudos, mas o corte de funcionários começou há dois meses. “Já escolhi a faculdade, mas preciso fazer uma poupança antes de começar o curso. O que mais tenho são amigos que tiveram de parar a faculdade na metade, quando a crise apertou.”

A desistência não cresce apenas em anos de crise, mas esse movimento havia sido bem menor em anos anteriores, segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua, do IBGE, compilados pela consultoria LCA. A média do aumento do estoque de estudantes que tiveram de abandonar seus cursos de graduação era de cerca de 5% ao ano, entre 2013 e 2016.

Essa evasão aumentou 47,8% entre 2016 e o ano passado, acompanhando o movimento de fechamento dos postos de trabalho e a redução da oferta de financiamento estudantil.

“Isso também tem a ver com o aumento da oferta do ensino superior e com o maior acesso às universidades nos anos anteriores à crise. A evasão é naturalmente grande, mas em 2017 foi pior pelas restrições de emprego e de renda”, avalia o economista Cosmo Donato, da LCA.

“O aumento da evasão faz todo o sentido, também pela redução da oferta do Fies (programa de financiamento estudantil) nesse período. O que a gente chama de restrição de crédito para os estudantes foi muito grande nos anos de crise, sem financiamento e, vendo a renda da família diminuir, o jovem acaba não tendo uma outra saída.”

Com a erosão das contas públicas, o governo também restringiu o acesso ao Fies. Em 2017, foram 98,9 mil contratos. Esse número tem caído desde 2014, quando foram 732,7 mil.

Intervalo. Um outro agravante é que muitos chefes de família perderam o emprego durante a crise – quase 2 milhões deles deixaram o mercado formal em três anos. Os mais jovens não tinham os estudos necessariamente pagos pelos pais, mas muitos deles foram forçados a entrar no mercado de trabalho mais cedo para ajudar no orçamento da família.

O professor do Insper Sergio Firpo lembra que os números da Pnad apontam que os filhos com escolaridade baixa têm participação maior no mercado de trabalho, e que a desocupação cresceu mais durante a crise entre os chefes de família que têm baixa ou média escolaridade.

“Os jovens de famílias com pais de baixa escolaridade tiveram chances maiores de serem afetados pela crise, porque são mais facilmente empurrados para o mercado de trabalho do que os adolescentes de famílias mais ricas”, diz Firpo.

Justamente na faixa entre 19 e 25 anos, que costuma ser composta por uma mão de obra pouca qualificada, mesmo a volta ao mercado de trabalho é mais complicada, diz Donato. “Um chefe de família pode voltar a ter carteira assinada, ganhando menos. O jovem tende a voltar com renda menor e, na maioria das vezes, informal.”

O rendimento real entre esses brasileiros quase não variou de 2016 a 2017, segundo a LCA, com aumento de 0,1% – enquanto nas faixas etárias mais velhas, a alta foi de 1,1% a 4,7%.

Momento difícil. O sonho de Walas dos Reis, de 29 anos, de abrir uma empresa para administrar e assessorar a carreira de cantores está, por enquanto, adiado. Em 2015, no auge da crise, ele, que nas horas vagas também canta, toca violão e faz uma dupla sertaneja com o irmão, teve de largar a faculdade de administração em Vitória (ES), porque ficou desempregado. “Fiquei sem condições de pagar o curso.” Ele trabalhava como segurança e ganhava R$ 1.750. Gastava mais da metade com a faculdade.

DNT 09-05-2018 SAO PAULO – SP / ESPECIAL DOMINICAL / ECONOMIA OE / ESPECIAL GERACAO PERDIDA – Walas Reis, 29 anos – FOTO DANIEL TEIXEIRA/ESTADAO

Sem opção, ele e o irmão, que também abandonou a faculdade, embarcaram para São Paulo em fevereiro de 2017. A expectativa da mudança de cidade era arranjar um emprego na área de administração e impulsionar a carreira artística da dupla sertaneja Wallas e William.

Mas não foi bem isso que conseguiu. “Coloquei currículos em várias empresas, mas eles disseram que, como não concluí o curso, não tenho como trabalhar na área.” Na carreira artística, o recomeço em São Paulo também foi difícil.

Nos últimos meses, ele se empregou como faxineiro num prédio, ganhando R$ 1.300. Alguns shows começaram a aparecer. Reis diz que não tem vergonha de trabalhar como faxineiro para sobreviver. “O Brasil está num momento difícil para os jovens que não têm uma condição financeira.”

Situação piorando. Pouco antes de completar 20 anos, em dezembro do ano passado, Mauro Turpin optou por trancar o curso de publicidade e propaganda para reforçar a equipe da empresa dos próprios pais. “Eles não exigiram, mas eu via que a situação estava ficando cada vez pior. Queria ajudar nas contas.”

Inicialmente, os dois anos de estudo de Mauro iriam servir para estruturar uma nova estratégia de marketing da empresa, composta por uma fábrica de bijuterias e uma loja. Entretanto, com o corte de funcionários, em poucos dias o estudante passou a ser o “faz-tudo” da loja, transitando pela função de vendedor e idas ao cartório.

turpin
Mauro quer voltar aos estudos este ano Foto: Daniel Teixeira/Estadão

A parceria começou a se desgastar: “O trabalho não estava sendo o que eu queria”. Após três meses longe das salas de aula e sem experiência prévia no mercado, Mauro tentou procurar estágios na área, mas descobriu que antes precisava voltar para a faculdade. “Por sorte, os pais de uma amiga têm uma agência de publicidade, e ela me indicou para uma vaga.”

A vaga não é com carteira assinada – ele mesmo ainda não tirou o documento – e trabalha oito horas diárias, ganhando pouco mais de R$ 1 mil. O jovem pretende retornar aos estudos no segundo semestre de 2018.

Apesar de não ser registrado, ele valoriza a vaga. “Uma coisa que nunca gostei é de depender dos meus pais. É bom ter controle da minha vida.”

Sonhos distantes. A pior parte de deixar o emprego de jóquei e tratador de cavalos foi se despedir dos animais. “Eu tinha o emprego que eu pedi a Deus”, lembra Genilson da Silva, de 25 anos, demitido do Jóquei Clube de São Paulo.

Ele lembra que sempre, desde pequeno, tinha o sonho de cuidar de animais. A baixa estatura e peso o ajudaram a se qualificar para a profissão. “Pensei em ser veterinário ou trabalhar em um haras. Crio um cavalo em casa, o Faísca. Ele hoje é uma das minhas principais fontes de renda. Depois dele, ainda arranjei mais quatro.”

genilson
Genilson tenta vaga de limpador de vidros Foto: Daniel Teixeira/Estadão

Genilson, que aprendeu a montar aos dez anos, só se arrepende de ter deixado os estudos de lado. “O meu sonho atual é terminar o ensino médio. Com estudo já é difícil arrumar um emprego, imagina na minha situação.”

Sem trabalho fixo, Genilson tira parte da renda alugando os cavalos para eventos, como aniversários e desfiles, além de oferecer passeios de charrete. O custo de manutenção é de R$ 250 por mês, além do aluguel.

Com o orçamento curto, ele decidiu tentar a vaga que aparecer. “Apesar de ainda sonhar com outro emprego em que possa cuidar de bichos”, conta, ao se candidatar a limpador de vidros de edifícios. “Sonhar longe, a gente sempre sonha. Mas parece que até os sonhos ficaram mais distantes agora.”

Petrobras reajusta preços de gasolina e diesel nas refinarias para novas máximas


A Petrobras elevará os preços do diesel em 0,80% e os da gasolina em 1,34% nas refinarias a partir de sábado (19), informou a petroleira em comunicado no seu site nesta sexta-feira (18).

Com os reajustes, os preços dos combustíveis irão a novas máximas dentro da política em vigor desde julho, a R$ 2,3488 o litro de diesel e R$ 2,0680 o litro de gasolina, destaca a Reuters.

Este é o 5º reajuste diário seguido. Na véspera, a companhia elevou em 1,80% o preço da gasolina, e subiu 0,95% o preço do diesel. No acumulado na semana, a alta chega a 6,98% nos preços da gasolina e de 5,98% no diesel. A decisão de repassar o aumento do valor da combustível cobrado pela Petrobras para o consumidor final é dos postos de combustíveis.

A escalada nos preços acontece em meio à disparada nos preços internacionais do petróleo. Nesta quinta, o barril de petróleo Brent superou US$ 80 pela 1ª vez desde novembro de 2014.

Evolução dos preços cobrados pela Petrobras nas refinarias nos últimos dias (Foto: Divulgação)Evolução dos preços cobrados pela Petrobras nas refinarias nos últimos dias (Foto: Divulgação)

Evolução dos preços cobrados pela Petrobras nas refinarias nos últimos dias (Foto: Divulgação)

A Petrobras adota novo formato na política de ajuste de preços desde 3 de julho do ano passado. Pela nova metodologia, os reajustes acontecem com maior frequência, inclusive diariamente. Desde então, o preço da gasolina comercializado nas refinarias acumula alta de 57,34% e o do diesel, valorização de 57,78%, segundo dados do Valor Online.

Preços dos combustíveis
Valor por litro, na média nacional
em R$gasolinadieseletanol22/46/520/53/617/61/715/729/712/825/88/922/907/1021/103/1117/112/1215/1230/1213/127/110/224/29/223/37/421/045/522,533,544,5

25/8
● etanol: 2,597
Fonte: ANP

Impacto no preço cobrado nos postos

Na semana passada, o preço médio da gasolina nos postos do país atingiu novas máximas no ano, segundo pesquisa da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).

O preço médio do litro de gasolina para os consumidores ficou em R$ 4,257, ante R$ 4,225 na semana anterior, o que corresponde a uma alta de 0,76%. Na última pesquisa, havia recuado 0,02%.

Com o novo aumento, a gasolina acumula alta de 3,85% desde o início do ano, e avança 21,28% desde que a Petrobras iniciou sua nova política de preços, em julho do ano passado.

PF apreende R$ 30 mil em mercadorias desviadas por funcionário dos Correios


Nesta semana, os Correios iniciaram uma campanha para explicar ao público os motivos de as encomendas internacionais demorarem a chegar. Uma coisa que a estatal não explicou é que existe uma possibilidade real de seus próprios funcionários desviarem os pacotes, como foi descoberto na região da Grande Florianópolis, em Santa Catarina.

O caso foi revelado nesta semana pela Polícia Federal, que executou um mando de busca e apreendeu aproximadamente R$ 30 mil em mercadorias desviadas na casa deste funcionário dos Correios, que não foi identificado. A casa é localizada na cidade de Palhoça, mas a PF também não revelou em qual agência ele trabalha.

O funcionário dos Correios estaria desviando os produtos para vendas em sites e aplicativos de comércio eletrônico, que também não foram identificados. Alguns dos pacotes ainda estavam na caixa original lacrada, contando até mesmo com nota fiscal dos destinatários.

Apesar disso, o rapaz não foi preso, porque a situação não foi considerada um flagrante, já que o desvio de produtos havia acontecido em um momento anterior. Ele será indiciado pelo crime de peculato, com pena máxima de até 12 anos de prisão. Ele também deve perder o cargo público que ocupa em caso de condenação.

Segundo a Polícia Federal, as suspeitas de que estava havendo algum tipo de desvio de produtos em agências dos Correios vieram após uma série de depoimentos de compradores que nunca receberam suas compras.

C

Mãe é suspeita de amputar pé do filho de três anos para receber pensão do governo


Uma criança de três anos teve um pé decepado provavelmente por um machado, no povoado de Juazeiro, zona rural do município de Tabocas do Brejo Velho. O fato teria ocorrido no último final de semana.

O repórter Naldo Vilares conversou com um preposto do Conselho Tutelar da cidade que acompanha o caso. Foi o Conselho Tutelar de Barreiras que informou os conselheiros de Tabocas que foram até a residência da familia.

No local a equipe identificou diversas marcas de sangue no interior da casa e também no quintal. Ao indagar a avó materna da criança sobre o que teria ocorrido, a mesma forneceu informações confusas aos conselheiros. A mulher contou que a mãe do menino havia dito que o garoto teria caído da cama, no entanto, no quarto apontado pela avó, não havia marca de sangue.

Ainda segundo o Conselho Tutelar, a avó da criança tentou dificultar o trabalho da equipe, sem querer permitir que os conselheiros vistoriassem um depósito na casa, onde estavam guardadas algumas ferramentas.

Mas, o avô materno do garoto, gentilmente, orientou os agentes e permitiu a entrada dos mesmos no depósito, onde foi possível identificar um machado com várias marcas de sangue, tanto no cabo, quanto na própria ferramenta. Os conselheiros encontraram ainda no quintal da casa, um pedaço de pano, que teria sido utilizado para limpar o sangue do machado.

A criança, foi encaminhada para o Hospital do Oeste, em Barreiras, onde passou por um cirurgia, não sendo possível o implante do pé do mesmo. Ainda de acordo com informações do Conselho Tutelar, a criança já foi liberada e está sob os cuidados dos conselheiros de Barreiras e Tabocas em um abrigo em Barreiras.

De acordo com informações levantadas pela equipe do Blog do Sigi Vilares, junto a moradores da cidade, a principal suspeita de ter cometido essa barbárie com a criança teria sido a própria mãe e a sua principal motivação seria o desejo de aposentar o menino e assim viver do benefício social da Previdência Social. Uma vez, que a mãe da criança sempre dizia ter desejo de ter um filho especial para viver do benefício.

O caso foi registrado na polícia civil de Tabocas do Brejo Velho e na próxima segunda-feira, 21, a mãe da criança e os conselheiros de Tabocas do Brejo Velho e Barreiras participarão de uma audiência, para esclarecer melhor os fatos.

Teixeira de Freitas tem 70% dos casos de chikungunya na Bahia e situação é considerara uma epidemia


O município de Teixeira de Freitas passa por uma epidemia de chikungunya. A doença, uma das arboviroses transmitidas pelo mosquito Aedes aegypti, já conta com 1.027 casos notificados e 546 confirmados, desde a primeira semana de janeiro deste ano até o último dia 4, segundo a Vigilância Epidemiológica do município.

De acordo com a coordenadora da Vigilância, Rosidalva Barreto, a situação na cidade já pode ser considerada epidemia. “A gente tem uma população que nunca tinha tido a doença, tem a presença do vetor e o vírus circulando aqui. O primeiro caso confirmado foi em 2014, mas só tivemos um. Em 2015, não teve nenhum, mas em 2016 teve 213 notificados. Em 2017 foi um movimento não só de Teixeira, mas da Bahia toda”, diz, referindo-se aos casos do ano passado.

Em 2017, só nos quatro primeiros meses do ano, foram 1.813 casos. Até o fim do ano, o número chegou a 2.113, sendo que 1.630 foram confirmados.

Ainda conforme a coordenadora, 90% dos criadouros do mosquito na cidade estão dentro das casas. Segundo Rosidalva, as pessoas dizem que precisam acumular água devido à possibilidade de falta.

“Mas, a gente percebe que há muito descuido. Muitos dizem que os terrenos privados são de responsabilidade da prefeitura limpar, mas não é. A responsabilidade é dos proprietários”, reforça.

Ela afirma, ainda, que a Vigilância tem feito trabalhos de educação nas escolas e comunidades, além da ação direta para eliminação de focos. Os agentes visitam as casas e também fazem o bloqueio com bomba costal.

Ao CORREIO, a Secretaria da Saúde do Estado (Sesab) informou que tem dados parciais referentes à situação em Teixeira de Freitas – de 1.007 casos notificados.

Em toda a Bahia, este ano, foram 1.442. Dessa forma, significa dizer que somente Teixeira de Freitas é responsável por cerca de 70% dos casos de chikungunya do estado. Em Salvador, foram já 29 este ano, contra 126 no ano passado.

secretaria destacou, contudo, que houve uma redução de 47,4% em relação ao mesmo período do ano passado, no caso de Teixeira de Freitas. Em todo o ano de 2017, a Bahia teve 7.346 casos notificados de chikungunya.

Zika

Já a cidade de Pé de Serra, no Nordeste do estado, chama atenção pelo número de casos de zika. Só este ano, foram 298 casos notificados, segundo a Sesab. No ano passado, foram quatro casos.  A Sesab afirma, contudo, que boa parte dos municípios não informava os dados – assim, em anos anteriores existiu uma “grande subnotificação”.

Ainda de acordo com a Sesab, as ações de prevenção são realizadas pelos municípios, contando com o apoio dos Núcleos Regionais de Saúde.

“As orientações são as mesmas utilizadas para o combate ao mosquito Aedes aegypti: combater os focos de acúmulo de água, locais propícios para a criação do mosquito transmissor da doença. Para isso, é importante não acumular água em latas, embalagens, copos plásticos, tampinhas de refrigerantes, pneus velhos, vasinhos de plantas, jarros de flores, garrafas, caixas d´água, tambores, latões, cisternas, sacos plásticos e lixeiras, entre outros”, dizem.

Sem vagas em salas, crianças assistem aulas do lado de fora de escola em Mucuri


Mucuri: Por falta de vagas nas salas, estudantes de uma escola municipal de Mucuri, no extremo sul da Bahia, estão tendo que assistir aulas do lado de foram da instituição de ensino. O caso ocorre no Assentamento Jequitibá, na zona rural do município.

Os estudantes foram colocados embaixo de uma estrutura que só conta com telhado. No local, não há quadro, e os alunos ficam sentados em cadeiras velhas. Além disso, os banheiros não têm portas e estão em péssimas condições.

A escola, que fica ao lado do espaço improvisado, conta com 37 crianças matriculadas, mas não tem condições de abrigar todos durante as aulas. Os alunos que ficam do lado de fora são do 4º e 5º ano do ensino fundamental.

A secretária de Educação do município informou que assumiu a pasta em novembro de 2017 e que os problemas já existiam. Disse, ainda, que foi realizada uma licitação para uma reforma, mas a empresa vencedora teve problemas de documentação. A prefeitura ainda não tem um prazo definido para quando as obras de reforma devem ser iniciadas.

Fonte: G1

Dois jovens são assassinados e têm seus corpos queimados no interior de Nova Viçosa


Nova Viçosa: No fim da noite da última segunda-feira, 07 de maio, 02 corpos do sexo masculino foram encontrados queimados. A principal suspeita é que as vítimas tenham sido executadas e logo após incendiadas no local. Os corpos foram encontrados próximo à Costa do Atlântico, cerca de 05 km sentido à Cândido Mariano, povoado de 87. Suspeita-se que os corpos sejam dos 02 jovens que estavam desaparecidos desde o último sábado.

A Polícia Militar foi informada do caso e informou a Polícia Civil, que autorizou remoção dos corpos para o IML de Teixeira de Freitas. Segundo informações do delegado Marco Antônio Neves, as vítimas, foram assassinadas a pouco mais de 24 horas, e pede para as pessoas que tenham parentes desaparecidos, procurar a polícia para fazer o reconhecimento.

Ainda segundo o delegado, uma das vítimas está usando um relógio na cor dourada. O delegado titular de Nova Viçosa instaurou inquérito policial para investigar o duplo homicídio.

Por: Rafael Vedra/LiberdadeNews

ENEM 2018 já tem cerca de 1,4 milhão de inscritos


O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) registrou, até esta terça-feira (8), cerca de 1, 4 milhão de inscrições no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). O sistema de inscrição foi aberto às 10h de segunda-feira (7) e ficará disponível até as 23h59min do dia 18 de maio.

O pagamento da Guia de Recolhimento da União (GRU), no valor de R$ 82,00, pode ser feito até 23 de maio. Ao todo, 3.361.468 pessoas já estão beneficiadas com a gratuidade, por se enquadrarem em um dos quatro perfis que davam direito à isenção, mas mesmo assim precisam se inscrever. As provas do Enem deste ano serão aplicadas em dois domingos, nos dias 4 e 11 de novembro.